in

Já ouviu falar de Aarhus? – Parte 1

Um dos cantinhos da encantadora Aarhus!
Um dos cantos da encantadora Aarhus iluminada pelo pôr-do-sol

Há algum tempo atrás tive a oportunidade de residir por 3 meses na linda cidade de Aarhus, Dinamarca. A segunda maior cidade deste país rico em beleza, modernidade, história e cultura Viking, leva também o título de “Byen ved Havet” que em dinamarquês significa algo como ‘cidade junto ao mar’.  Sem dúvida nenhuma vivenciar outras culturas através do cotidiaartigo1no de uma cidade pequena, o convívio com pessoas locais, gastronomia e diferentes manifestações do clima é sempre muito enriquecedor e nos últimos 3 meses do ano de 2013 fui agraciada com esta riqueza de experiências em Aarhus. Meu intuito com este artigo é não somente convence-lo(a) a incluir esta cidade no seu roteiro de viagens se planeja ir a Dinamarca, mas também passar um pouco do que é a cultura deste país tão adorável e rico, em muitos aspectos diferentes!

Inclua Aarhus no seu roteiro de viagem ao norte da Europa:

Aarhus está localizada na costa leste da península de Jutland de frente ao mar Kattegat acessível por terra pelo norte da Alemanha e pelo mar pela vizinha, Suécia.

Captura de Tela 2016-04-30 às 13.59.16

A cidade é plana, mas tão plana que não restam desculpas para não usar bicicleta como meio de transporte principalmente nos meses em que o frio vai embora. É uma cidade composta de cerca de 330 mil habitantes em sua maioria Dinamarqueses nativos da própria cidade e de outras regiões da Dinamarca, mas por ser o local da segunda maior Universidade do país, Aarhus University (motivo de minha estadia lá), a cidade conta também com estudantes de vários países da Europa e do resto do mundo, assim como uma pequena porção de imigrantes.

Sem dúvida nenhuma, o principal meio de transporte é a bicicleta! Tive convívio com pessoas das mais diversas faixas etárias (incluindo um senhor de cerca de 70 anos) que utilizavam a bicicleta como meio de transporte diário, com chuva ou sol. Eu entrei na rotina e pude participar desta cultura gostosa que é pedalar para todos os lugares.

Meu saudoso meio de transporte em Aarhus
Meu saudoso meio de transporte

Tudo que fiz em Aarhus foi de bicicleta. O sentimento de segurança, tranquilidade e de fazer parte desta cultura quando você esta pedalando diariamente na Dinamarca, são impagáveis. Há muitas ruas somente para bicicletas, ciclovias por todos os lados e as pessoas se tornam extremamente habilidosas na arte de pedalar! A cena mais impressionante que vi foi uma moça pedalando no meio do centro, fumando e falando no celular (sem fone), tudo ao mesmo tempo.

Duas atrações turísticas disputam o lugar de principal atração turística da cidade, o museu ARos e Den Gamle By (A “Cidade Velha”), ambos imperdíveis. A Cidade Velha se trata de um museu a céu aberto inaugurado em 1914 com cerca de 75 construções trazidas para este local provindas de 20 vilarejos espalhados pelo país. Já imaginou o empenho em fazer isso antes de 1914? Se o objetivo do museu é fazer você voltar no tempo e se sentir andando por ruas dos séculos passados, objetivo cumprido!

Carruagens passam por você, assim como pessoas vestidas como antigamente, músicas folclóricas ecoam pelas ruelas e as representações fiéis do interior de casas e comércios não deixam a desejar. Eu pessoalmente amei a farmácia e é claro, me deliciei comendo os doces Dinamarqueses vendidos lá.

artigo5
Den Gamle by é um “must see” em Aarhus!
artigo4
Uma farmácia do século XVIII, a mais antiga e bem preservada de toda a Dinamarca.

Inclusive na época do Natal a cidade velha é o melhor lugar para experimentar æbleskiver e gløgg que é uma espécie de sonho acompanhado de vinho quente, uIMG_2809ma versão nórdica do nosso quentão (ou seria o nosso quentão uma versão tropical do nórdico gløgg?).

A entrada de Den Gamle By varia de DKK75 a 100 (cerca de R$45 a 60) e com certeza vale cada rica coroa dinamarquesa! Certifique-se de reservar pelo menos 3 horas para visitar o local e pegue um mapinha na entrada.

Se você curte a modernidade da Escandinávia, que é um espetáculo por si só e assunto que daria outro artigo, certifique-se de reservar um tempo para conhecer o museu ARos, assim como a região portuária da cidade. Ambos são um show de arquitetura que embelezam a cidade e dão um toque rico e evoluído, evidenciando o contraste do novo com o velho, típico da Europa. Isbjerget, por exemplo, já se tornou o cartão postal da cidade, roubando a cena das construções antigas de Den Gamle by. Eu fico só imaginando o privilégio (e também o custo!) de poder morar alí em um destes apartamentos.

O prédio residêncial Isbjerget esta localizado em uma nova área residêncial onde antes existia um porto
O prédio residencial Isbjerget esta localizado em uma nova área residencial onde antes existia um porto em Aarhus. Tipo de arquitetura que te faz sentar e admirar!

O museu ARos possui o famoso Rainbow panorama, onde o artista Olafur Eliasson foi muito bem sucedido ao fazer você olhar a cidade através de diferentes cores, além de ser a melhor vista panorâmica de Aarhus. Foi no museu Aros que vi a exposição mais assustadora e bizarra da minha vida. Infelizmente não lembro o nome do artista, mas era basicamente uma salinha redonda e completamente escura onde você entrava e ficava rodeado de televisões e em cada uma delas tinha a imagem de uma pessoa com cara de sofrimento, desespero ou dor. Tentei olhar aquilo com um olhar artístico, mas para ser sincera tudo o que consegui pensar era em quantos pesadelos eu ia ter por causa daquela cena. Infelizmente depressão, suicídio e escuridão também fazem parte fortemente da história deste país.

Haviam outras exposições é claro, incluindo lindos quadros, esculturas e representações de ambientes. Outra importante atração do museu é a escultura de Ron Mueck chamada simplesmente de “Boy”. A escultura retrata um menino agachado com olhos extremamente expressivos e tamanho impressionante.

aros1
“Your rainbow panorama” de Olafur Eliasson e a melhor vista panorâmica da cidade.
aros2
“Boy”, do artista Ron Mueck, famoso por suas esculturas hiper-realistas.

Na minha opinião a visita ao museu também vale cada uma das caras DKK120 coroas dinamarquesas (aprox. R$70,00! Sim a Dinamarca é um país caro.) e eu também reservaria cerca de 3 horas.

Estes são apenas alguns motivos pelos quais Aarhus deve ser incluída no roteiro de uma visita à Dinamarca. Tendo conhecido Copenhague e pela minha experiência pessoal, eu só vivi mesmo o tão famoso hygge, em Aarhus e não na famosa capital. Por mais clichê que soe, depois de você ler qualquer artigo ou ver um vídeo sobre a Dinamarca, esta palavra realmente descreve o sentimento que prevaleceu pra mim durante o tempo em que morei lá.

Tão hygge quanto possível

Pense em algo que para você é sinônimo de aconchego, conforto, bem estar e boa atmosfera social. Hygge é uma palavra da língua dinamarquesa que não possui tradução para o português ou inglês, quem sabe apenas para as outras línguas escandinavas. A verdade é que na tentativa de traduzir hygge você precisa reunir todos estes conceitos da cena que você imaginou em uma única palavra. A cena que eu imagino para descrever hygge, seria um dia frio e escuro, uma poltrona confortável em uma sala aconchegante com luz baixa, uma bela caneca de chocolate quente na mão a companhia de amigos com quem você se sente extremamente confortável e uma música ambiente tranquila e baixinha. Talvez seja possível agora ter uma boa idéia do que é hygge, interessante pensar que esta é uma palavra que requer um parágrafo inteiro de tradução! Google tradutor não conseguiria tal façanha.

Aarhus promove hygge com maestria! A cidade é tranquila, bonita, limpa e cheia de becos com pubs e cafés que te convidam a sentar e simplesmente viver um pouco o ambiente e o momento.

IMG_2121
É fácil achar ruazinhas que serpenteiam Aarhus e contém muitos pequenos comércios interessantes.
hygge1
As pequenas casinhas da rua Møllestien (detalhe para as bicicletas estacionadas na frente)!
IMG_2735
A praça principal da cidade com a Aarhus Domkirke ao fundo, a catedral é a construção mais alta da cidade.

 

O final do Outono e início de Inverno com seus dias curtíssimos e a escuridão da noite chegando tão cedo como 16:30, te convidam a hygge. Acreditem que até comendo um Shawarma em Aarhus me senti confortável! Os restaurantes típicos Dinamarqueses dão um show de aconchego e acredite em mim, se existe um povo que sabe agregar qualidade, conforto e valor a um jantar com os amigos, estes são os Dinamarqueses. A impressão que ficou é que tudo é pensado no seu conforto e bem estar social. O lugar onde você senta, a comida bem preparada, o quadro que você olha na parede, a intensidade da luz, o volume tranquilo da música ambiente, os assuntos das conversas geralmente carregados com bastante bom humor e gargalhadas… tudo isso faz você querer congelar o momento e entender plenamente o sentido da palavra hygge.

 

Fique ligado(a) para a parte 2 deste artigo, onde compartilho minha experiência com uma forte tempestade de ventos que atingiu a Dinamarca em 2013, um típico jantar de Natal em Aarhus e bons seriados escandinávos. Te vejo lá!

What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Written by Hellen Weinschutz Mendes

Nascida na boa safra de 1982 em Curitiba e residindo atualmente em Ottawa no Canadá. Bióloga, sempre curiosa, doutoranda, esposa, amante da natureza, apaixonada por viagens e dona de uma cachorrinha de orelhas macias.

Comments

Loading…

Busão dos inferno

A Trilogia Cósmica de Lewis